EnglishJapanesePortugueseSpanish

Desembargadora presa recebe quase meio milhão de TJ-BA

Presa há um ano, Maria do Socorro Barreto Santiago, ex-presidente do Tribunal de Justiça, ainda aparece ativa na folha de pagamento do órgão

Maria do Socorro Barreto Santiago foi presa em 2019
Reprodução TJ-BA

Mesmo presa há um ano, a desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago, ex-presidente do TJ-BA (Tribunal de Justiça da Bahia), recebeu quase meio milhão de reais do orgão, de acordo com dados do portal da transparência.

desembargadora foi presa preventivamente pela Polícia Federal em 29 de novembro de 2019, alvo da Operação Faroeste, que investiga um esquema de vendas de sentenças e grilagem de terras.

Apesar de estar presa no Complexo Penitenciários da Papuda, no Distrito Federal, Maria do Socorro recebeu R$ 459 mil em salários e benefícios durantes esse período. A conta leva em consideração os vencimentos brutos da magistrada e bonifcações até setembro de 2020. 

Reprodução TJ-BA

Só no mês seguinte a sua prisão, a desembargadora recebeu bruto R$65,369.59. Além do salário base de R$35,462.22, Maria do Socorro recebeu uma gratificação natalina de R$35,462.22, salário ferias de R$23,642.66 e abono permanência de R$4,964.71.

Descontando o imposto de renda, R$45.889,76 entraram na conta da investigada. Tudo dentro da lei. 

A reportagem do R7 não conseguiu contato com a defesa da magsitrada e nem com o Tribunal de Justiça da Bahia. O espaço está aberto para ambos.

Investigação

Durante a Operação Faroeste, a Polícia Federal identificou uma movimentação de R$ 17 milhões nas contas bancárias da magistrada, parte dos valores sem origem comprovada.

Na primeira fase da operação foram encontrados em endereço ligado à desembargadora joias, obras de arte, dinheiro em espécie e escrituras de imóveis. Para os investigadores, esse conjunto revela um indicativo de padrão econômico incompatível com os vencimentos de um servidor público.

A magistrada, segundo o Ministério Público, tinha “relações indevidas” com outros investigados no esquema – entre eles, Adaílton Maturino, que se apresentava como cônsul de Guiné-Bissau, também preso.

http://<iframe src=’https://player.r7.com/video/i/5de1c5061df97b818100009c’ width=’640′ height=’360′ frameborder=’0′ loading=’lazy’ allowfullscreen></iframe>

Fonte: Portal R7

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Últimas Notícias ...